Arquivo

Archive for janeiro \31\UTC 2010

Deus farda com a nove

31/01/2010 1 comentário
Novo técnico do Porto Alegre, China garantiu: armaria um ferrolho e não perderia em Ijuí. Estaria em condições de buscar a vitória, até porque a torcida no 19 de Outubro estava dando seu time como morto. O São Luiz da melhor campanha do interior em 2010 seria surpreendido pelo Porto Alegre do zero por cento de aproveitamento, apostava China com fé pétrea.
*
Em dezoito minutos, o São Luiz vencia por 3 a 0. (ilusiona un poquito más)
Anúncios

Welcome to Erechim

“É daquelas coisas que tu faz e já sabe que a vida vai mudar radicalmente no minuto seguinte”. Como se precisasse de um psicólogo e não pudesse pagar por um, ela senta ao lado de alguém no ônibus e se lança num destrinchar das minúcias da sua existência. Desvela os mínimos detalhes, expõe à luz os cancros que afligem a alma. Ela embarcou em Selbach, num ponto em que ele estava suficientemente entediado da viagem para se divertir atiçando a fogueira das inquietudes dela. (ilusiona un poquito más)

Os gaúchos gostamos de complicar

29/01/2010 2 comentários
Odeio a fórmula do Gauchão. Não somos muito SIMPLISTAS ao criar regulamentos para nossos campeonatos estaduais e, para comprovar, estão aí o enjoativo torneio de 1994 com seus pontos corridos de 44 (!!!) rodadas, e o absurdo de 2004, com a possibilidade de um time enfrentar a si mesmo na final. Mas esse atual sistema adaptado dos cariocas consegue superar tudo. (ilusiona un poquito más)

O imponderável contra ele mesmo

Higuita abandonou o futebol. O Internacional foi recebido por uma cancha vazia no interior. Cabañas levou um balaço na cabeça. Fatos desencontrados. Fatos com essência parecida. Estamos perdendo todas as ilusões futebolísticas em 2010 e janeiro nem terminou. (¿cómo ilusionar un poco más?)

Constatações sobre o vazio

Contarei para os meus netos. Eu vivi para ver o Internacional de Porto Alegre atrair tanto público quanto o São Luiz de Ijuí num jogo fora de casa no interior do Rio Grande do Sul. Relatarei uma Baixada Melancólica com pouco mais de 1,6 mil pessoas para ver ambos os times contra o Inter-SM e, para preservar o mito, esconderei os motivos dessa igualdade. Meus netos acharão que o São Luiz era mesmo muito bom. (ilusiona un poquito más)

Nascido dos detritos

“Eu deixei me fazerem uma injeção para que eu só acorde daqui a duas horas”, brinca Louis Nicollin, o presidente do clube. Nicollin quer adormecer para passar das ilusões à realização sem a etapa intermediária do sofrimento. O relógio marca vinte horas da noite de 19 de março de 1991. Daqui a alguns minutos, o Stade de la Mosson vai ouvir o primeiro apito arbitral da jornada. Será a inauguração do que pode se acabar como a maior façanha do Montpellier local. Iluminado pelas estrelas da quase iniciada primavera francesa, o modesto time da casa só precisa manter o 0 a 0 do início da partida para eliminar o lendário Manchester United. (ilusiona un poquito más)

Se Deus está por nós…

21/01/2010 4 comentários
Narrando o jogo com uma preocupante FALTA DE NOÇÃO, defini a movimentação dos torcedores do Internacional de Santa Maria como um “FLUXO MIGRATÓRIO na direção das saídas do estádio”. Por mais terras que se percorra, é daquelas cenas que sempre serão revestidas de significado atemporal – um povo desistindo das suas esperanças. A debandada geral das arquibancadas da Baixada tornada mais Melancólica pelo resultado se deu a partir dos 78 minutos, no gol de Nicolas. (ilusiona un poquito más)